quarta-feira, 22 de maio de 2013

16 mil crianças fazem prova com imagem pornográfica

Antes da matéria, farei meu comentário: HAHAHAHAHA HAHAHAHAHA!

Agora sim, vamos à matéria:
 
Recentemente, esta imagem - a qual pode ser considerada, em certa medida, pornográfica, ao mostrar um pênis avantajado saliente na roupa do fazendeiro, as cloacas de galinhas e de pintinhos dilatadas e as expressões concernentes dos participantes - foi utilizada em prova aplicada a dezesseis mil crianças da primeira série do ensino fundamental (faixa etária de 6 a 7 anos), em Curitiba - PR.

   O responsável, segundo a superintendente, não foi identificado.

  Ora, um procedimento de tamanhas magnitude e repercussão teria apenas um responsável e este não seria identificado? Havendo vários responsáveis, não se daria razão para sanção solidária, na medida em que revisores, ainda que não tivessem adicionado a imagem, poderiam ter excluído ou substituído a mesma, caso tivesse ocorrido uma revisão razoável?


   Não há editores-chefe, revisores, formuladores, professores, avaliadores de um documento que será entregue a 16 mil crianças?

   Cogita-se o caráter doloso, isto é, intencional na atitude, por comentários de internautas. Não creio que seja ainda o caso de tal atribuição. No entanto, a ocorrência assemelha-se ao que é classificado por juristas como "dolo eventual", segundo o qual não há intenção de causar o mal, mas, caso seja causado, o autor é indiferente. O que este fato, entre outros, revela sobre como é diligenciada a educação pública no Brasil?

   A escolha de uma imagem pouco ilustrativa, mal colocada, já seria reprovável. O que dizer desta? Cabe a reflexão.
Lígia Ferreira é jornalista e estudiosa de mecanismos midiáticos.
Com informações de Folha de São Paulo e O Diário
Leitura complementar: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2011201029.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário